Você ainda acha que a Pecuária emite Carbono no ambiente?

Pois é, temos muita informação equivocada publicada sobre este tema. Indo direto ao ponto, a pecuária de corte retém Carbono em seu processo. O cálculo* é simples:

  • Um bovino emite por ano 1,16 tonelada de Equivalente Gás Carbônico (em forma de metano a gás carbônico).
  • Considerando o rebanho nacional de 208 milhões de animais em 2014 , as emissões foram de 240 milhões de toneladas em Equivalente em Gás Carbônico (CO2).

Porém, este cálculo desconsidera a participação das pastagens e seu sequestro de Carbono. Este sequestro é natural, pois os vegetais realizam fotossíntese: consomem Gás Carbônico e liberam Oxigênio.

Para cada Equivalente de CO2 emitido pelos animais, a pastagem sequestra em média quatro unidades de Equivalente CO2. Portanto:

  • Emissão de 240 milhões de toneladas de Eq. em CO2 pelos animais por ano;
  • Sequestro da pastagem é de 4 EqCO2 para cada unidade emitida pelos animais;
  •  Sequestro total de 960 milhões de toneladas de Equivalente em CO2 por ano
  • Saldo da atividade fica em 720 milhões de toneladas sequestradas.

Ou seja, ao contrário do que vemos publicado de forma irresponsável a respeito da influência da pecuária brasileira em questões ambientais, esta atividade contribui para a redução da quantidade de Carbono emitida à Atmosfera.

Estes números são da pecuária de corte, agora imaginem como são os da indústria nacional em relação à emissão e sequestro de Carbono ou em relação à produção de lixo.

Como curiosidade, vamos fazer outra comparação**:

  • Cada bovino ocupa 3 metros quadrados (m2) de espaço com seu corpo.
  • Sendo o rebanho nacional de 208 milhões de animais,
  • Área ocupada se todos animais forem agrupados seria de 624 mil km2 ou 62,4 mil hectares.
  • A área total do Brasil é de 846 milhões de hectares;
  • Área ocupada pelos animais se todos agrupados representaria 0,0073% da área total do Brasil.

Será que estes indivíduos brasileiros com tão pouca representação espacial são capazes de contribuir com tantas questões negativas em relação ao ambiente? Isto sendo que vivem em campos abertos, pastando, calmos, sequestrando Carbono, produzindo alimento e empregando 6,75 milhões de brasileiros.

*Para mais informações, leia aqui o texto do agrônomo e especialista Maurício Palma Nogueira publicado no jornal O Estado de SP nesta terça-feira, 21/abril/2015: Pecuária no rumo certo.

**Cálculo feito por nosso amigo Alexandre Scaff Raffi. Agrônomo, pecuarista no MS (Novilho Precoce).

Stand da ABIEC na SIAL Paris 2014

A ABIEC é a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne e seus associados são os frigoríficos brasileiros exportadores. Este stand estava na feira SIAL 2014 em Paris, uma das maiores feiras de alimentos do mundo. Foi bem interessante conhecer a feira e um pouco mais do mercado mundial de carne bovina.

O stand ocupava uma quadra, ao redor ficavam “mini” stands dos frigoríficos e no centro havia uma “praça de alimentação”, só que só se servia churrasco de carne brasileira e caipirinha.

IMG_4549

IMG_4558IMG_4557IMG_4556IMG_4547IMG_4550IMG_4551IMG_4555

Na foto abaixo estão Heloisa Melo e Liège Nogueira da Agroconsult, Fernando Sampaio da ABIEC, Alfredo Drissen da ABHB (Associação Brasileira de Hereford e Braford) e Marcelo Whately da Vila Beef.IMG_4358IMG_4206IMG_4204IMG_4202IMG_4201IMG_4199IMG_4198IMG_4196

Este era o túnel da pecuária promovido pela ABIEC com apoio da Agroconsult. Os telões mostravam dados e informações de toda bovinocultura de corte e do agronegócio brasileiro. Estava bem interessante e sempre havia alguém para acompanhar os curiosos e conversar sobre a pecuária nacional.IMG_4195IMG_4194IMG_4193IMG_4191IMG_4190

Para ler outras matérias de nossa viagem à Paris e à feira SIAL acesse aqui: http://vilabeef.com.br/category/sial-paris-out2014/