Professores da UNICAMP comentam operação Carne Fraca

Esta entrevista foi publicada no Portal Unicamp no dia 22/março.

Conhecemos muito bem o Prof. Dr. Sergio Pflanzer do Departamento de Engenharia de Alimentos da Universidade e admiramos seu conhecimento e competência em relação à Tecnologia de Carnes:

Professores da FEA esclarecem dúvidas sobre carnes

Em entrevista ao Portal Unicamp, os professores da Faculdade de Engenharia de Alimentos Marise Rodrigues Pollonio e Sérgio Bertelli Pflanzer, especialistas da área de carnes e derivados, abordam o processamento de carnes como mortadela e salsicha, entre outros alimentos. Esse é um assunto do momento e que tem preocupado o consumidor tanto no Brasil como no exterior, após a Operação Carne Fraca, deflagrada pela Polícia Federal na sexta-feira, dia 17. Os docentes da Unicamp destacam os investimentos da indústria no setor alimentício para garantir a qualidade dos produtos brasileiros nos procedimentos de processamento, as técnicas usadas pela indústria e também os aditivos alimentares permitidos por lei. Falam também sobre os riscos do consumo de produtos que estejam inadequados e fora das normas, conforme exigem os órgãos federais, e orientam o que se deve levar em conta na hora da escolha de alimentos processados. Veja a entrevista.

Portal Unicamp – A população pode ficar tranquila quanto aos procedimentos adotados na produção de carnes processadas no Brasil?
Marise Rodrigues Pollonio e Sérgio Bertelli Pflanzer – Sim. As indústrias brasileiras, principalmente aquelas com Inspeção Federal (SIF), investiram milhões de reais em tecnologias para desenvolverem novos produtos e processos, e com isso garantir a qualidade de seus produtos. A população não deve se preocupar e pode continuar consumindo seus produtos de preferência. Cada produto processado e os cortes cárneos passam por rigoroso controle de qualidade e atendem a especificações determinadas pelos regulamentos técnicos, nos quais estão descritos quais aditivos, ingredientes e matérias-primas podem ser utilizadas e, além disso, todas as temperaturas de prazo de validade envolvidas na comercialização.

Portal Unicamp – As técnicas usadas em termos de processamento de carnes são seguras?
Marise e Sérgio – Os processos tecnológicos utilizados pelas indústrias para obtenção de produtos cárneos são os mais variados possíveis, mas um dos principais é o tratamento térmico, ou seja, a etapa de cozimento. Esse tratamento, além de auxiliar no desenvolvimento das características dos produtos cárneos, garante a segurança para o consumo. Entre as técnicas, aparece também a utilização de outras barreiras para garantir a segurança, como os agentes conservantes. Esses agentes são aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e são utilizados dentro de limites muito bem especificados na legislação. Além do mais, as condições de armazenamento incluem refrigeração ou congelamento, o que minimiza ou evita completamente a deterioração ou contaminação por microrganismos que representam perigos à saúde do consumidor. Todas essas especificações estão estabelecidas no padrão de identidade dos produtos. Ainda, o tipo de embalagem e o processo (a vácuo ou não) completa a relação de itens que garante a segurança do produto. Enfatizamos que é muito importante conhecer a procedência do processador que, de forma muito simples, tem sua garantia quando o Serviço de Inspeção Federal faz parte das informações do rótulo.

Portal Unicamp – Quais são os aditivos usados pela indústria de alimentos processados permitidos por lei?
Marise e Sérgio – A Anvisa é a entidade responsável pela aprovação de uso dos aditivos alimentares, inclusive para carnes e seus derivados. Os aditivos podem ser classificados de acordo com sua funcionalidade. Uma das principais categorias é a dos conservantes, dos quais podemos citar o nitrito de sódio que, além de ajudar na conservação, auxilia no desenvolvimento da cor e sabor de produtos curados, como salsichas e presuntos. Outro grupo é o dos estabilizantes, destacando-se o uso dos fosfatos, que ajudam na retenção de água e melhoram a textura dos produtos cárneos. Temos também os antioxidantes, dos quais o eritorbato e ascorbato são os mais utilizados. Eles auxiliam nas reações de cura, contribuindo para acelerar o processo e para reduzir a formação de compostos indesejáveis à saúde. Outro aditivo ainda amplamente utilizado é o lactato de sódio, um regulador de acidez que contribui para a conservação, particularmente em produtos embutidos cozidos emulsionados, do tipo mortadela, salsicha etc.

Portal Unicamp – Quais os riscos que o consumidor corre ao ingerir carnes processadas de forma inadequada?
Marise e Sérgio – Temos que entender primeiro que tipo de inconformidade foi realizado. Quando se trata de uma irregularidade econômica, ou seja, utilizar um ingrediente que não estava previsto no Padrão de Identidade e Qualidade (PIQ), para baratear custos ou por conta de falta de uma matéria prima no mercado para balancear produtos e atender a legislação, trocando uma matéria prima pela outra (porém em bom estado sanitário), não haverá riscos à saúde do consumidor, do ponto de vista de ocorrência de doenças de origem alimentar e somente prejuízo financeiro. Pode ocorrer, no entanto, uma redução do valor nutricional. No caso de irregularidades sanitárias, como uso de matérias primas contaminadas, em estado de deterioração e um processamento térmico insuficiente para garantir a segurança, como, por exemplo, o subprocessamento térmico, em que a temperatura não foi capaz de inativar as bactérias, o produto pode trazer riscos ao consumidor. Os principais problemas podem variar de simples toxi-infecções alimentares, com possiblidade de vômito e diarreia, a doenças mais graves como intoxicações.No entanto, devido às ações da Inspeção Federal , de controles nas empresas comprometidas com a qualidade e a segurança, raramente ocorrem esses eventos.

Portal Unicamp – O que o consumidor deve levar em conta na hora da escolha de alimentos processados como mortadela, presunto, salsicha, entre outros?
Marise e Sérgio – Deve levar em conta três itens primordiais: selo de inspeção (sempre que possível o federal), temperatura de armazenamento resfriado e o prazo de validade. Depois disso, devem ser considerados apenas os atributos sensoriais, como o aspecto e coloração, além do aroma. A cor e o aroma devem ser típicos daquele produto, o qual deve ser livre de muco, também chamado de limosidade. Esse é um sinal de deterioração, mesmo que não seja patogênico. O produto então não deve ser consumido.

Opinião Vila Beef sobre a operação Carne Fraca

Enviamos este texto para mídias regionais de Ribeirão Preto por meio de nossa assessoria de imprensa!

================================================================================

Especialista em carne bovina alerta consumidores sobre a importância da procedência dos alimentos

 

Para ele, a carne bovina brasileira pode e deve ser vendida como um produto nobre, assim como sua experiência de consumo.

 

A deflagração da Operação Carne Fraca pela Polícia Federal nesta sexta-feira (17/03) alertou os consumidores para a importância de se verificar a procedência dos alimentos antes de adquiri-los. Formado em zootecnia pela Universidade Federal de Lavras – UFLA, MG, o pecuarista e especialista em carne bovina, Marcelo Whately decidiu proporcionar um novo conceito de loja de carnes com foco exatamente na informação de como os produtos são produzidos e como devem ser preparados para proporcionar mais sabor e segurança aos consumidores. “A carne bovina brasileira pode e deve ser vendida como um produto nobre, assim como sua experiência de consumo. O mesmo deve acontecer com todos os tipos de alimentos”, explica Marcelo.

Para propiciar este diferencial, a loja de carnes, a Vila Beef, inaugurada em outubro de 2013 em Ribeirão Preto (SP), posiciona-se como a ponta final de toda a cadeia produtiva. “Queremos aproximar estes extremos, o consumidor e o campo. Quem entra em nossa loja percebe que conhecemos de pecuária de corte, pois fazemos parte deste negócio. Para vender carne, é preciso saber como foi produzida e passar essa segurança para o consumidor”, enfatiza o zootecnista.

A loja tem parceria de fornecimento exclusivo com a  Beef&Veal, empresa responsável pelo controle e produção dos animais. Isto engloba desde a captação de animais jovens padronizados, sua recria, terminação em confinamento e acompanhamento do abate e desossa no frigorífico. “Nosso trabalho aqui na loja é oferecer serviço, conhecimento, ajuda e confiança, além de carnes e embutidos com garantia de satisfação. Por isso, damos os parabéns a mais esta operação da Polícia Federal. O combate às irregularidades em todos setores de nosso país é necessário, e quando atinge nossa área de atuação é ainda melhor. Desta forma os agentes que praticam atividades ilegais, prejudicando todo o setor, saem de cena, deixando o ambiente de trabalho mais seguro”, conclui o especialista.